Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Google-Translate-Portuguese to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese
ONLINE
3


Partilhe esta Página

 


DEFESA FRANCESA
DEFESA FRANCESA

 

Notação descritiva de xadrez

Xadrez-not descritiva.png

A Notação Descritiva é um sistema de notação de partidas de xadrez, no qual cada coluna recebe um nome que indica qual a peça que originalmente ocupa a primeira casa. Assim, a primeira coluna é TD, ou coluna da Torre da Dama (para as brancas). A coluna seguinte é a CD, ou coluna do Cavalo da Dama. Seguem as colunas BD (Bispo da Dama), D (Dama), R (Rei), BR (Bispo do Rei), CR (Cavalo do Rei) e TR (Torre do Rei).

A contagem da linha começa em 1 a partir da linha que contém as peças de valor maior, indo até 8 na outra extremidade. Só que a linha 1 das brancas é a linha 8 das pretas, e vice-versa.

Este sistema, embora muito popular no século passado, encontra-se em desuso, e não é aceito pela FIDE em anotações de jogos de campeonatos oficiais. Entretanto, boa parte da literatura nacional sobre o xadrez foi escrita antes da adoção oficial do sistema algébrico, de forma que o leitor vai precisar acostumar-se com o sistema descritivo.

Um início de partida típico no sistema descritivo pode ser visto abaixo:

1. P4R   P4R
2. C3BR  B5C
3. P4D   PxP

No trecho acima, a jogada de número 3 contém uma captura (Peão captura Peão), e, pela posição do jogo, só pode ser o P4R das pretas que capturou o P4D das brancas. Lembrando que a casa P4R das pretas é a casa P5R das brancas.

O fim do jogo geralmente é anotado 1-0 (vitória das brancas), 0-1 (vitória das pretas) ou 1/2-1/2 (empate), indicando para quem foi o ponto disputado na partida.

Outros símbolos que aparecem na anotação são o + (xeque), o ++ (xeque-mate), 0-0 (roque pequeno), e 0-0-0 (roque grande).

 

O sistema de notação descritiva foi o principal sistema usado para notação das partidas, publicações e grandes livros de xadrez desde o século XVIII.

Este sistema é tão antigo quanto o de notação algébrica, porém sua adoção se deu devido a uma partida disputada entre dois grandes mestres, Philidor e Stamma, cada qual com seu sistema de preferência.

Quando Stamma perdeu a partida para Philidor, seu sistema entrou em desuso, e pelos próximos séculos o sistema descritivo passou a ser a principal forma de notação no xadrez. Esse sistema ainda é muito popular no Brasil, Estados Unidos, Grã-Bretanha e países de língua espanhola, apesar de não ser mais aceito pela FIDE ou em competições.

A notação descritiva surgiu como forma de abreviação do sistema de Ruy Lopes, e era escrito da seguinte maneira: "O Rei comanda seu Cavalo da Ala do Rei para que movimente-se e ocupe a terceira casa em frente ao seu Bispo". Por ser muito longo e levar muito tempo para descrever o lance, ele foi abreviado como C3BR, que é lido “Cavalo para terceira casa da coluna do Bispo Rei”.

No sistema de Philidor, as colunas recebem o nome das peças que as ocupam no início da partida, e as linhas são numeradas de acordo com a posição de cada jogador, isto é, a contagem inicia em 1 e vai até 8, para ambos os lados. Essa numeração acabou por causar ambiguidade, uma vez que cada casa pode receber duas denominações.

A casa 1TD, ou Primeira Casa da Coluna da Torre da Dama, pode ser tanto a primeira casa do extremo esquerdo do tabuleiro das brancas, como a primeira casa do extremo direito do tabuleiro das pretas.

Como podemos observar no tabuleiro acima, as colunas são idênticas para ambos os jogadores, porém as linhas são opostas. Da esquerda para a direita temos a coluna Torre-Dama, Cavalo-Dama, Bispo-Dama, Dama, Rei, Bispo-Rei, Cavalo-Rei e Torre-Rei. O lance é anotado com todas as letras maiúsculas, primeiro com a inicial da peça, o número da linha para a qual ela vai e a casa de chegada. 

Defesa Francesa

Defesa Francesa
Defesa Francesa é caracterizada pelos lances 1.e4 e6. Sua aparição em partidas sérias data do século 19, quando alguns jogadores franceses jogaram um match contra jogadores ingleses e, cansados de sofrer com os ataques súbitos contra f7 após 1.e4 e5, optaram por uma solução radical: cederam o centro (o controle da casa d4!) para impedir que o bispo branco de f1 vá a c4 e aponte direto para a tal casa frágil, obtendo assim uma posição mais sólida, menos suscetível a ataques rápidos. Ao longo dos anos essa defesa cresceu em popularidade e resistiu ao desenvolvimento do entendimento estratégico no xadrez. Após 2.d4 o branco assume o controle das principais casas centrais enquanto abre linhas para suas peças e, como bem sabemos, ficamos com um jogo muito mais fácil quando o adversário nos deixa controlar as casas centrais sem problemas, por isso o negro joga 2...d5. O propósito deste lance é o mesmo de outros lances que são comumente jogados pelo condutor das pretas nas posições de francesa. Qual é este propósito? Usar seus próprios peões para destruir o centro branco e conquistar chances iguais. Aqui o condutor das brancas (no caso, você!) se encontra desafiado e precisa tomar duas decisões muito importantes: 1) como vai lidar com o centro e 2) como irá desenvolver suas peças.
Defesa Francesa é uma defesa de xadrez que se produz após os lances:
1.e4 e6
Sendo a continuação mais usual (mostrada no diagrama acima) é
2.d4 d5
Muitas vezes é feito um outro ataque ao centro com c5, já que o Bispo de casas escuras apoia esta casa.
Nesta abertura, as negras respondem 1. P4R com 1. ..., P3R e então, após 2. P4D, continuam com P4D. É uma defesa de sólidas virtudes, porém com o inconveniente de que em muitas variantes o bispo-dama desempenha papel secundário.
Isto explica porque a linha simplificadora 3. PxP, PxP é muito pouco utilizada atualmente. A posição dos peões fica simétrica com feição de empate o bispo-dama das negras se libera. A maioria das variantes em que as brancas obtém a iniciativa, possuem o lance P5R, que mantém amarrado o bispo das negras e oferece possibilidades no flanco-rei.
(a) Variante McCutcheon
1. P4R  P3R
2. P4D  P4D
3. C3BD  C3BR
4. B5CR  B5C
As negras combatem vigorosamente pelocontrole do centro. Se agora 5. PxP, DxP; 6. BxC, BxC+; 7. PxB, PxB; 8. C3BR, C2D; 9. P3C, P3C; 10. B2C as negras podem continuar com 10. ..., B3T!, pois se 11. C4T, D4TD!; 12. BxT, DxPB+ e ganham.
5. P5R  P3TR
Forçando. Se agora 6. PxC, PxB; 7. PxP, T1C recapturando o peão com vantagem.
6. B2D  BXC
7. PXB  C5R
8. D4C  P3CR
Agora as brancas experimentam um sacrifício especulativo para preservar seu valioso bispo-dama, pois se 9. B3D, CxB; 10. RxC, P4BD com bom jogo para as negras.
9. B1B!?  CXPBD
10. B3D  P4BD
11. PXP  D2B
12. B3R  C2D
Com 13. D4D! as brancas mantém a iniciativa e su par de bispos lhes assegura substanciais possibilidades de ataque.
 
(b) Variante 4. ..., B2R
1. P4R  P3R
2. P4D  P4D
3. C3BD  C3BR
4. B5CR  B2R
Outra maneira de combater pelo centro. As brancas podem investir com 5. BxC, BxB; 6. P5R, mas após 6. ..., B2R; 7. D4C, 0-0; 8. 0-0-0, P4BD! As negras tem bom contrajogo. Por exemplo: 9. PxP, C3B; 10. P4B, P4B; 11. D3T, D4T!; 12. CR2R, BxP; 13. P4CR, P5D; 14. C1CD, C5CD e as negras tem a iniciativa.
5. P5R  CR2D
6. BXB  DXB
7. D2D  O-O
8. P4B  P4BD
9. C3B  C3BD
As negras atacaram o centro com ..., P4BD e pretendem intensificar o ataque com ..., P3B.
Se agora 10. P3CR, P3B; 11. PRxP, PxP! Como na linha principal, com jogo promissor para as negras.
10. O-O-O  P3B
11. PRXP  PCXP!
12 P3CR  PXP
13. CRXP  C3C
Jogo igual. As brancas podem ter melhor desenvolvimento, mas as negras tem linhas abertas e uma poderosa massa central de peões.
 
(c) Ataque Alekhine
1. P4R  P3R
2. P4D  P4D
3. C3BD  C3BR
4. B5CR  B2R
5. P5R  CR2D
6. P4TR!
As negras não podem aceitar o ousado peão oferecido. Após 6. ..., BxB; 7. PxB, DxP; 8. C3T, D2R; 9. C4B, C1B; 10. D4C, as brancas tem uma vantagem decisiva em desenvolvimento.
Se agora 6. ..., P3BR; 7. D5T+!, P3CR; 8. PxP!, PxD; 9. PxB ganhando de volta a dama com final muito superior. Ou 8. ..., CxP; 9. D2R! com forte pressão sobre o peão atrasado.
6...P4BD!
7. BXB  RXB!
Após 7. ..., DxB; 8. C5C! as negras tem jogo difícil.
8. D4C  R1B
9. C3B  PXP!
10. DXPD  D3C!
11. DXD  PXD
As negras solaparam o centro das brancas.
12. O-O-O  C3BD
13. T1R  P5D!
As negras tem excelente jogo, pos após movimentarem o cavalo atacado elas podem continuar com ..., TxP.
 
(d) Variante ..., PxP
1. P4R  P3R
2. P4D  P4D
3. C3BD  C3BR
Se as brancas acabam com a tensão no centro por meio de 4. P5R; seguir-se-ia 4. ..., CR2D; 5. P4B e as negras podem contra-atacar com 5. ..., P4BD!, liquidando o valioso peão-dama das brancas.
4. B5CR  PXP
Esta continuação descolorida deixa as brancas com posição mais agressiva.
5. CXP  B2R
6. BXC  BXB
Da mesma forma após 6. ..., PxB as brancas tem desenvolvimento mais prometedor: 7. C3BR, P3C; 8. B4B!, B2C; 9. D2R, P3B; 10. 0-0-0, D2B; 11. R1C, C2D; 12. B6T!, 0-0-0; 13. BxB+, RxB; 14. P4B! a posição de peões das negras está enfraquecida e elas expostas ao ataque.
7. C3BR  C2D
8. P3B!  D2R
Ou 8. ..., 0-0; 9. D2B, P4R; 10. 0-0-0!, PxP; 11. CxP BxC; 12. TxB, D2R; 13. P4BR, C4B; 14. CxC, DxC; 15. B3D quando as brancas tem esplendido desenvolvimento e boas possibilidades de ataque.
9. D2B  P4B
10. PXP  CXP
11. B5C+ B2D
12. BXB+  CXB
13. O-O-O  O-O-O
14. D4T  R1C
O jogo das brancas é mais confortável e tem vantagem para o final com maioria de peões na ala da dama.
 
(e) Variante 3. ..., B5C
1. P4R  P3R
2. P4D  P4D
3. C3BD  B5C
Cravando o cavalo das brancas, as negras contra-atacam e assim mantem a luta pelo controle do centro. 4. PxP seria fraco face a 4. ..., PxP, liberando o bispo-dama das negras.
As brancas podem ignorar a ameaça das negras, mas os resultados não são muito favoráveis, por exemplo: 4. P3TD, BxC+; 5. PxB, PxP; 6. D4C, C3BR; 7. DxPC, T1C; 8. D6T, P4B ou 4. D4C, C3BR; 5. DxPC, T1C; 6. D6T, P4B. Em qualquer caso as negras tem forte contrajogo.
4. P5R  P4BD
5. P3TD!
A melhor resposta para o lógico contra-ataque das negras no centro.
5...BXC+
6. PXB
Enquanto o bispo das negras tem campo limitado, o par de bispos das brancas torna-se poderoso – como na variante 6...., C2R; 7. D4C, C4B; 8. B3D, P4TR; 9. D3T, PxP; 10. PxP, D5T; 11. DxD, CxD; 12. P3C etc.
6... D2B
7. C3B
Após este lance, as negras podem responder 7. D4C com 7. ..., P4B.
7...C2R
8. P4TR!  B2D
Tentando contra-atacar. Se 8. ..., P3CD; 9. P5T!, P3TR; 10. P4T!, B3T; 11. B5C+!, BxB; 12. PxB as brancas ficam com a iniciativa em ambos os flancos.
9. P5T  P3TR
As brancas ameaçavam 10. P6T praticamente forçando ..., P3CR e deixando as casas pretas das negras perigosamente fracas.
10. P4C!  B5T
11. B3D  C2D
12. P5C  TD1B
13. T2TD!
As brancas tem forte iniciativa no lado do rei, onde poderão abrir uma coluna antes ou após T1C. As negras pressionam o P2BD, mas as brancas possuem defesa adequada. O comandante sobre o tabuleiro e a presença do par de bispos dão às brancas jogo superior.
 
(f) Variante 3. C2D
1. P4R  P3R
2. P4D  P4D
3. C2D
O extraordinário terceiro lance das brancas é praticável apesar de o cavalo bloquear a saída do bispo-dama. A ideia do lance é neutralizar 3. ..., b5c, que vimos na variante anterior.
3... P4BD
O lance clássico de libertação. As demais alternativas deixam as negras com jogo amarrado, por exemplo: 3. ..., C3BR; 4. P5R, CR2D; 5. B3D, P4BD; 6. P3BD, C3BD; 7. C2R, PxP; 8. PxP etc. Ou 3. ..., C3BD; 4. CR3B!, C3B; 5. P5R, C2D; 6. C3C, P3B; 7. PxP!, CRxP; 8. B5CD etc.
 4. CR3B  P3TD!
Este lance deixa as negras com jogo mais confortável do que 4. ..., c3BD; por exemplo: 5. PRxP, PRxP; 6. B5C!, B3D; 7. 0-0, C2R; 8. PxP!, BxPB; 9. C3C, B3C; 10. B3R!, BxB; 11. BxC+!, PxB; 12. PxB e as brancas tem forte pressão sobre ascasas pretas.
5. PRXP  PRXP
6. PXP  BXP
As negras possuem um peão-dama isolado, mas podem desenvolver rapidamente suas peças e abrir a diagonal para seu bispo-dama.
7. C3C  B2T!
8. B5CR  C3BR
9. CD4D  O-O
10. B2R  D3D
11. O-O  C3B!
12. B3R  B1C!
As negras tem possibilidades reais de ataque e uma bela iniciativa. Seu admirável desenvolvimento compensa a desvantagem do peão-dama isolado.
 
(g) Variante 3. P5R
1. P4R  P3R
2. P4D  P4D
3. P5R!?  P4BD!
Avançando seu peão-rei a 5, as brancas colocam uma cunha no flanco-rei, que entre outras coisas evita que o cavalo contrário ocupe sua melhor casa: 3BR. De um modo geral a intenção das brancas, ao avançarem o peão, é restringir o jogo contrário de forma permanente. Naturalmente as negras não se resignarão a ser sufocadas até a morte. Elas procurarão combater, minando o peão avançado das brancas por meio de ..., P4BD.
Jogando ..., P4BD – sempre o contra-ataque mais lógico contra o avanço P5R – as negras procuram lutar no flanco-dama e no centro para neutralizar a pressão que as brancas exercem no flanco-rei.
4. P3BD  C3BD
5. C3BR  D3C
Superficialmente 6. B3D parece uma excelente réplica, pois se ..., PxP, 7. PxP, CxPD??; 8 CxC, DxC; 9. B5CD+, ganhando a dama. Mas as negras jogam 6. ..., PxP; 7. PxP, B2D; restando às brancas somente o lance 8. B2R.
6. B2R  PXP
7. PXP  CR2R
8. P3CD  C4B
9. B2C  B5C+
A pressão das negras sobre o peão-dama é muito forte e assim as brancas não podem cobrir o xeque
10. R1B  O-O
11. P4C  C3T
Após 12. T1C, as negras jogam ..., P3B continuando o combate pelo controle do centro. As possibilidades são idênticas.

topo